7 formas de fazer renda extra, inclusive na internet, com a economia compartilhada

Money, money, money, must be funny (grana, grana, grana, deve ser bacana). Concorda com essa letra da famosa ABBA - banda de m√ļsica pop sueca? A gente n√£o s√≥ concorda, como entende que a maioria das pessoas est√° super interessada em saber como fazer renda extra, pela internet inclusive, utilizando para isso a nossa amada e venerada economia compartilhada.

Perdido(a) no rol√™? N√£o fique. Antes de nos aprofundarmos nas op√ß√Ķes, vamos te relembrar rapidamente o que √© essa economia compartilhada (tamb√©m conhecida como economia colaborativa ou consumo colaborativo).

Conforme falamos em um artigo anterior, a economia compartilhada é, resumidamente, uma tendência que promove a divisão entre várias pessoas de um serviço ou um produto sem que haja a necessidade de adquiri-lo de fato.

Ela também é mediada pela tecnologia e normalmente conta com as figuras da plataforma, do fornecedor e do usuário, permitindo a avaliação das partes envolvidas no fluxo do negócio (qualidade, entrega e atendimento, por exemplo) por meio de notas, comentários, e etc.

Agora que você se situou, seguimos!

Mas caso ainda tenha ficado um pouco perdido(a), n√£o deixe de dar uma lidinha no artigo sobre a economia compartilhada que mencionamos e depois voltar a dar uma passada por aqui para continuar a leitura, beleza?

(Quase) todos querem ou precisam ter uma renda extra

Sim, a pandemia da covid-19 tirou o poder de compra das pessoas. Isso √© ineg√°vel. Dados divulgados em 1¬ļ de dezembro de 2020 mostram que o n√ļmero de desempregos no Brasil saltou 36% em seis meses e atingiu 13,8 milh√Ķes de pessoas, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estat√≠stica). √Č muita gente!

Muita gente que apesar do desemprego continua precisando comprar comida, pagar conta de energia, água, aluguel, mensalidade escolar e sustentar sua família.

E até mesmo quem está empregado pode ter sofrido com a pandemia. Um exemplo disso são as pessoas afetadas pelas medidas do governo que possibilitaram a redução de jornada e salário e a suspensão de contrato, afetando também benefícios como férias e décimo terceiro salário.

Toda essa situação, bastante chata por sinal, faz as pessoas precisarem de uma graninha a mais para pagarem todas as contas ao final do mês. O que torna super normal constatarmos aumento em buscas como "renda extra online", "renda extra na internet", "renda extra ideias", "renda extra quarentena" e "renda extra home office" em plataformas como Google, Yahoo e Bing.

Dicas de como fazer renda extra na pandemia e durante todo o ano por meio do consumo colaborativo

Agora que atestou que não está fácil para você - e para uma multidão -, vamos pontuar as principais formas de ganhar dinheiro com a economia compartilhada. 

Pegue um papel e uma caneta, ou abra seu bloco de notas, seu documento no Word, LibreOffice, Google Docs ou o rascunho do e-mail, e anote nas suas metas (de ano-novo quem sabe…) as que você gostar mais. Bora lá?

1) Alugando um quarto vazio da sua casa ou um imóvel desocupado

Brasileiro viaja pouco. E isso não somos nós que estamos dizendo, mas o IBGE, por meio de uma pesquisa divulgada em agosto de 2020. E o que isso tem a ver com alugar um espaço vazio da minha casa? Muita coisa, meu anjo.

O motivo alegado pelos brasileiros para n√£o viajar √© justamente a falta de dinheiro. E a maioria os faz - quando os motivos s√£o pessoais - para visitar parentes ou amigos, seguido de lazer e tratamento de sa√ļde.

Se as pessoas não têm dinheiro para sair de casa elas provavelmente elas também terão poucos recursos para investir em hotel, hostel, pousada ou resort e podem preferir o conforto de uma casa de família pagando bem menos. E aí que entra um anfitrião maravilhoso na história, mais conhecido como você.

Com a ajuda do Airbnb, por exemplo, muita gente viu naquele cantinho vago e esquecido do lar uma máquina de fazer dinheiro sem sair - literalmente - de casa. Mas é claro que não é só alugar e pronto. Tem que ser cordial, dar dicas, manter o ambiente limpo e confortável (pode inclusive ser cobrada uma taxa extra para limpeza) e, quem sabe, oferecer alguns mimos aos hóspedes, como um saboroso café da manhã (que poderá estar embutido no preço da estadia).

Apesar de no exemplo estarmos falando do seu próprio local de moradia, também vale uma casa, ou um apê, que estejam vazios. E aí, se for alugar ele todinho para o hóspede, óbvio que vale cobrar mais, pois a gente não brinca em serviço.

Tanto que temos outros dados para mostrar que estamos certos ao dar essa dica para você que quer fazer renda extra e, de quebra, ainda conhecer pessoas novas do seu estado ou de outros estados brasileiros - ou quem sabe de outros países!

O próprio Airbnb realizou uma pesquisa no final do ano de 2018 para saber o principal motivo que faz os brasileiros alugarem imóveis. E aposto que você já sabe a resposta: R$R$R$R$R$. 

Nada menos do que 53% dos entrevistados do pa√≠s verde e amarelo disseram que alugam im√≥veis para obter renda extra e 44% chegaram a dizer que precisam desse dinheiro no final do m√™s para pagar as contas. √Č uma renda mais essencial do que o que foi registrado junto aos anfitri√Ķes de outros pa√≠ses, como Chile e Col√īmbia, tamb√©m situados na Am√©rica Latina.

Na oportunidade em quest√£o, a revista √Čpoca chegou a entrevistar pessoas que garantiam de 60% a 80% de sua renda mensal com o aluguel de im√≥veis em plataformas on-line de hospedagem "alternativa" - e esperamos sinceramente que elas estejam bem com toda essa situa√ß√£o de covid-19.

Ah mas só tem o Airbnb?

N√£o. Apesar dele ser o mais conhecido - tanto que o n√ļmero de an√ļncios saltou de 3,5 mil em 2012 para 180 mil em 2018, existem outras plataformas on-line com atua√ß√£o no Brasil que tamb√©m conectam h√≥spedes e anfitri√Ķes.

S√£o os casos do Alugue Temporada, do grupo norte-americano HomeAway, e da Booking, que √© holandesa. A Booking tamb√©m fez uma pesquisa para ficar mais por dentro desse mercado aqui no Brasil e descobriu que um em cada quatro brasileiros super consideram anunciar sua pr√≥pria casa em um site de acomoda√ß√Ķes. Tend√™ncia que fala, n√©?

2) Motorista de aplicativo

Você dirige e tem um carro em bom estado (ou está apto a alugar um)? Parabéns, você pode ser um motorista e transportar passageiros sob demanda ou oferecer os espaços vagos do seu veículo, dentro dos trechos que você já faz cotidianamente, para ganhar uma grana extra e ajudar a pagar o seguro, o combustível, o pedágio e, claro, as contas do fim do mês.

Pesquisa da plataforma Vida Real, do Grupo ZAP, revela que 52% dos brasileiros utilizam os aplicativos de mobilidade, como Uber, Cabify e 99Pop, para se deslocar para o trabalho, lazer e para poder beber à vontade com os amigos sem se preocupar com os perigos de dirigir sob efeito de álcool ou com algum outro tipo de perigo, como assaltos.

A utiliza√ß√£o dessa forma de mobilidade √© t√£o massiva que s√≥ perde (por enquanto) para o carro particular, estando √† frente de modais tradicionais como √īnibus, caminhada, metr√ī, t√°xi, trem, bicicleta e motocicleta.

Ficou interessado(a)? Então é bom você saber que as empresas que atuam nesse setor normalmente exigem um credenciamento dos possíveis futuros motoristas, que pode ser feito on-line e que depois costuma ser formalizado presencialmente em seus pontos de apoio espalhados nas cidades em que atuam. Em seguida, elas cobram uma taxa de participação no valor das corridas por mediarem esse match entre motoristas e usuários via app, que pode variar entre 10% e 25%, dependendo da empresa.

3) Caroneiro

Se você não quer ser motorista sob demanda e pretende transportar passageiros apenas no trajeto que você faz diariamente ou algumas vezes por semana ou mês, talvez a melhor solução para fazer uma renda extra - nem que seja para ajudar na taxa de pedágio ou no combustível, como dissemos antes - é utilizar aplicativos de carona, como o BlaBlaCar.

O BlaBlaCar conecta motoristas de trechos pré-estabelecidos a usuários que também precisam ir para o mesmo destino - ou para algum destino que fique no meio do trajeto. Feito o match entre as partes, basta combinar o valor, o ponto de encontro e as regras do trajeto (se pode ou não fumar, se pode ou não transportar animais de estimação, entre outras).

Você cobra o valor combinado diretamente ao passageiro, seja em espécie ou por plataformas como PicPay, MercadoPago e Pix.

O Waze Carpool tem uma proposta semelhante ao BlaBlaCar, mas é mais voltado a caronas em trajetos rotineiros, enquanto o BlaBlaCar pode ser utilizado até mesmo para conectar cidades de Estados diferentes. O Carpool é muito usado, por exemplo, para ida e/ou volta ao trabalho e à universidade.

Diferentemente do BlaBlaCar, que não aceita pagamento pela plataforma, o Waze Carpool concentra os pagamentos no próprio app e disponibiliza um sistema de recompensas.

Outro amiguinho dos meninos é o InDriver. Ele é igual, mas é diferente (cuma?). Já explicamos. 

Por meio dele, os usuários informam o valor que desejam pagar para fazer determinado trajeto e aí a função do app será encontrar motoristas que aceitem o valor proposto (ou não, né? Forçando o usuário a aumentar o 'lance'). De qualquer forma, achamos democrático!

Vai que você está passeando de boa na praia e uma pessoa atrasada para o trabalho, que fica no final da orla, te ofereça cinquentão para chegar na hora sem suar e despentear os cabelos? Acontece, viu…

4) Passeando e cuidando de pets

Você gosta de cachorros? Fazer carinho, brincar de pique-esconde, pega-pega e levar para passear? Tem responsabilidade e ama e respeita todos os animais e formas de vida? E um tempinho livre para transformar essa "brincadeira" numa grana extra no orçamento do mês?

Sim! Ser bab√° de cachorro (pet sitter) √© uma das formas que as pessoas encontraram hoje em dia de levantar fundos. E o que n√£o faltam s√£o donos de pets dispostos a gastar com seus bichinhos para que eles tenham todo cuidado necess√°rio em situa√ß√Ķes em que estejam presentes (e ausentes tamb√©m).

Uma pesquisa feita pela CVA Solution apontou que os donos de c√£es gastam em m√©dia R$ 294 por m√™s com seus pets, enquanto donos de gatos gastam em m√©dia R$ 200. E sabe quantos s√£o? Segundo o IBGE temos mais de 50 milh√Ķes de cachorros (sim, temos mais c√£es do que crian√ßas no Brasil) e mais de 20 milh√Ķes de gatos. Ou seja: milh√Ķes de oportunidades de voc√™ faturar sendo pet sitter.

As raças de cães mais comuns aqui no Brasil são os famosos vira-latas, seguidos por poodles, shihtzus, pinchers, yorkshires, pitbulls e labradores. No caso dos gatos, os vira-latinhas também dominam o ranking e em seguida figuram os siameses, persas e angorás.

E essa variedade fez a profissão de cuidador de animais crescer exponencialmente no nosso país. Ela passou a bombar mais especificamente a partir de 2010 e culminou em plataformas como Dog Hero e My Pet’s Nanny, que facilitam esse contato entre cuidadores e donos.

Em períodos de alta temporada - com dedicação e ajuda de outras pessoas - há indivíduos que chegam a faturar R$ 15 mil nesse universo e não é difícil achar quem fature cerca de R$ 4 mil mensais cuidando de vários bichos por dia (neste caso, transformam a casa num verdadeiro hotel ou creche para os bichos!).

Na prática, o dono do pet procura por site ou aplicativo a babá ideal para seu bichinho e pode marcar visita e combinar pagamento. A visita ao animal é feita no próprio ambiente dele e dura em média 1 hora - tempo suficiente para brincar, colocar comida, colocar água, trocar tapetinho e satisfazer outras necessidades.

Apesar de ser mais comum cachorros, até por serem mais numerosos, as plataformas também aceitam pessoas dispostas a serem pet sitters de outros animais, como gatos, hamsters, pássaros, porquinhos da índia e até mesmo plantas. Afinal, as orquídeas e samambaias também precisam de amor!

H√° ainda modalidades em que o pet sitter precisa apenas passear com o cachorro. Dar aquela voltinha, brincar, gastar energia, esperar ele fazer xixi e coco (e recolher com uma sacolinha descart√°vel, claro), enquanto o dono pode acompanhar o trajeto em tempo real pelo aplicativo.

Gostou da ideia? Procure as plataformas para conhecer as pol√≠ticas de cada uma delas para que possa fazer seu cadastro. Para garantir a seguran√ßa de todos, elas costumam analisar pessoalmente os candidatos, aplicar testes e dar orienta√ß√Ķes (nada que seja dif√≠cil para um genu√≠no amante de animais e futuro pet sitter de respeito!).

5) Vendendo coisas

Existe forma mais t√≠pica de ganhar dinheiro do que vendendo coisas? √Č desse conceito que surgem plataformas como Mercado Livre e OLX. Foi a pr√≥pria OLX, inclusive, que encomendou uma pesquisa ao Ibope Conecta para saber qual a porcentagem de brasileiros que estaria interessada em vender itens de casa que n√£o est√£o mais em uso.

O resultado √© que 72% dos internautas consultados disseram pensar seriamente nessa possibilidade, o que, segundo c√°lculos do Ibope Conecta, geraria uma receita adicional de at√© R$ 277 bilh√Ķes na economia. J√° pensou?

Esse levantamento do Ibope Conecta tamb√©m aproveitou para saber quais as principais categorias desses objetos que as pessoas estariam dispostas a comercializar. Os¬† mais mencionados foram eletr√īnicos e celulares; artigos dom√©sticos; artigos infantis; m√ļsica e hobbies e moda e beleza. Mas h√° in√ļmeras outras, como joias e rel√≥gios; im√≥veis; acess√≥rios para ve√≠culos; ve√≠culos; ferramentas e ind√ļstria; e por a√≠ vai.

A OLX ainda aproveitou a oportunidade para registrar que, nos √ļltimos dois anos, teve um aumento de 31% no n√ļmero de pessoas que negociaram com sucesso por meio da plataforma, o que acaba corroborando com o contexto de surgimento da economia compartilhada. Ou seja, o n√ļmero de pessoas acumulando coisas paradas em casa tem diminu√≠do, ao mesmo tempo em que o desapego de itens tem crescido.

Era dos brechós

Outra dica super legal, para quem quer se desfazer principalmente de roupas e calçados em bom estado, mas que não servem mais ou simplesmente não agradam como antes, é aderir aos brechós onlines.

Essa prática, que antes costumava ser vista com certo estigma, se encontra em total evidência e tem ajudado muita gente a comprar peças novas ou até usar a renda obtida com a venda para custear integral ou parcialmente sonhos como viagens ou compras de itens de grande valor.

Uma das plataformas baseadas no consumo colaborativo que promovem essa possibilidade √© a Enjoei. Ela existe desde 2009 e j√° acumula mais de 370 mil vendedores e mais de 2 milh√Ķes de produtos cadastrados no site.

Na Enjoei, as pessoas podem criar lojinhas próprias e, depois de cadastrados os produtos e dados os matches com os vendedores, basta embalar os produtos, imprimir as etiquetas, enviar e esperar a grana cair na conta. Antes disso ele fica disponível no Enjubank - uma espécie de banco da própria plataforma. 

Em 2018, a Enjoei faturou - pasme - mais de R$ 200 milh√Ķes. Mas ela n√£o √© a √ļnica plataforma de brech√≥, claro. Existem v√°rias outras. D√™ um Google a√≠!

6) Entregando itens

Com o fortalecimento de plataformas de delivery, como iFood, Rappi, Uber Eats e Shipp, muitas pessoas que estão desempregadas ou são universitárias, veem nessas iniciativas uma forma de ganhar dinheiro extra fazendo entregas de carro, motocicleta, bicicleta, patinete ou até a pé.

Antes da pandemia da covid-19, essas empresas trabalhavam quase que exclusivamente com comidas e bebidas. Mas agora atuam também com compras em mercados e outras categorias, dependendo do app.

N√ļmeros da An√°lise Econ√īmica Consultoria d√£o conta de que existem cerca de 4,7 milh√Ķes de pessoas que trabalham para aplicativos de entrega ou transporte de passageiros, o que representaria mais de 15% de todos os trabalhadores informais do pa√≠s. J√° quando se trata exclusivamente de motoboys ou ciclistas a estat√≠stica considera cerca de 700 mil entregadores.

Normalmente o cadastro pode ser feito diretamente pelo próprio aplicativo e costuma ser simples, bastando o preenchimento de dados básicos, como nome, CPF, telefone, e etc, além da criação de uma senha de acesso. 

As plataformas também costumam permitir que o potencial entregador selecione sua região de delivery, a modalidade de entrega (motocicleta, bicicleta...), foto de identificação (tirada na hora), fotos de documentos pessoais (como Carteira de Identidade para quem quer entregar de bicicleta e CNH - Carteira Nacional de Habilitação - para quem vai entregar de moto ou carro) e, por fim, os dados da conta bancária em que você quer receber sua grana extra.

Vale lembrar que para trabalhar como entregador √© necess√°rio ter mais de 18 anos; conta banc√°ria (poupan√ßa ou conta corrente) registrada no seu pr√≥prio nome e CPF; caixa t√©rmica ou ba√ļ pr√≥prio; ve√≠culo para realizar entregas (bicicleta, moto, patinete, carro, e etc) e RG (Carteira de Identidade) emitido h√° menos de dez anos.¬†

Lembrando que essa política costuma variar de plataforma para plataforma. Então é sempre bom fazer o exercício de consultar diretamente o site delas para conhecer as regras para efetuar o cadastro, tudo bem?

7) Vendendo suas habilidades profissionais

Para fechar essa lista de sucesso, você já cogitou oferecer seus serviços profissionais em uma plataforma de freelancer como 99Freelas e Workana? Não? Pois então você vai terminar de ler este artigo e ir correndo pesquisar melhor sobre as duas mocinhas aí e seus simpatizantes.

Essas plataformas possibilitam que usu√°rios cadastrados busquem freelancers que dominam determinados jobs em categorias como TI e Programa√ß√£o; Design e Multim√≠dia; Tradu√ß√£o; Conte√ļdos; Marketing; Vendas; Suporte Administrativo; Jur√≠dico; Finan√ßas; Administra√ß√£o; Engenharia e Manufatura.

Exemplos de demandas frequentes são redação de textos e artigos; revisão de texto; criação e programação de site ou correção de erros nas páginas web; design de peças gráficas para redes sociais ou estabelecimentos comerciais; edição de áudio, vídeo e/ou imagem, tradução de textos e locução.

Dados da Workana mostram que cresceu o n√ļmero daquelas pessoas que viram no meio freelancer uma alternativa de renda frente ao desemprego, agravado pela pandemia. Entre os mais de 2,8 mil entrevistados, 20,4% disseram que est√£o trabalhando neste modelo por falta de emprego e 19,7% s√£o funcion√°rios de uma empresa, mas buscam outros projetos por fora para complementar o sal√°rio.

Em todo o mundo, a Workana acumula 2,3 milh√Ķes de freelancers e registrou crescimento global de 42% no n√ļmero de profissionais cadastrados. No Brasil, o aumento foi de 32%.

Depois de enviar uma proposta no projeto publicado pelo contratante na timeline da plataforma - proposta essa que precisa ser embasada com portf√≥lio e hist√≥rico pessoal e profissional que ateste que voc√™ pode executar aquele projeto -, ele (o contratante) ter√° a op√ß√£o de escolher ou n√£o se te contrata - tendo em vista que recebe in√ļmeras outras propostas de concorrentes seus.¬†

Caso seja escolhido, e role este match entre vocês, ele precisa realizar o que as plataformas freelancers chamam de depósito de garantia (que é o depósito de 100% do valor do projeto, pago via cartão de crédito, transferência ou boleto, somado à comissão da plataforma, que varia de 10% a 25% dependendo da empresa).

Ao final do trabalho, caso seja entregue o que foi combinado nos primórdios da contratação, o freelancer fica com 100% dos fundos. Caso haja algum desentendimento entre as partes, as plataformas podem atuar como mediadoras de conflito e decidir o percentual do valor que ficará com cada uma.

Um spoiler √© que este mercado est√° t√£o interessante no Brasil, que a Fiverr, uma startup isralense que atua em mais de 160 pa√≠ses, chegou ao nosso pa√≠s em novembro com uma plataforma em portugu√™s. No √ļltimo ano, ela afirma ter realizado mais de 3 milh√Ķes de contrata√ß√Ķes por meio do site, em centenas de categorias diferentes, e viu seu valor de mercado - simplesmente - triplicar.

Ela também desembarcou recentemente na Alemanha, na Espanha e na França. 

Partiu?

Mãos à obra

Como voc√™ pode ver, op√ß√Ķes n√£o faltam para quem quer tirar uma renda extra utilizando empresas alinhadas ao conceito de economia colaborativa. Escolha a que faz mais sentido e que √© mais segura para voc√™ e quando ficar rico(a) n√£o esque√ßa de mandar aquela caixinha de chocolate para a gente como forma de agradecimento. Vamos ficar esperando de verdade!

Ah, n√£o deixe de baixar o melhor aplicativo de aluguel! O Aloogie pode te ajudar a ganhar um dinheirinho.

Combinados? :D

Conte nos comentários o que achou dessas dicas e compartilhe com seus amigos no Facebook, Twitter, Instagram ou na rede social que você mais gosta. Vamos ficar bastante felizes com esse feedback.